Instituto Crescer Legal completa dois anos de atividades

Em seu segundo ano de existência, Instituto Crescer Legal já é agente de transformação na vida de quase 100 jovens aprendizes rurais gaúchos.

Abril 2017 – Fundado em 23 de abril de 2015, o Instituto Crescer Legal completa seu segundo ano de atividades com muito a comemorar. Iniciativa do SindiTabaco e suas empresas associadas, a entidade tomou forma com o apoio e adesão de pessoas envolvidas com a educação e com o combate ao trabalho infantil, em especial em áreas com plantio de tabaco, na Região Sul do País. A meta: oferecer subsídios para que o jovem permaneça e se desenvolva no meio rural e, ao mesmo, tempo oportunidades para combater o trabalho infantil no campo. As principais ações do Instituto foram compiladas em um relatório institucional, disponível no site www.crescerlegal.com.br.

O trabalho infantil é um tema complexo e permanente, no meio urbano e rural. Entre os desafios relativos ao tema na zona rural, especialmente na agricultura familiar, está a falta de estrutura e de oportunidades para os jovens e, ao mesmo tempo, nota-se uma grande ansiedade por parte dos produtores diante da falta de oportunidades aos filhos que concluíam o Ensino Fundamental.

“Ao longo dos anos, percebemos que a escassez de escolas rurais é um grande problema no campo e, junto com as drogas e ociosidade, acabam contribuindo para uma postura cultural de valorização do trabalho e incentivando crianças e adolescentes a atividades inapropriadas para sua idade. O trabalho de conscientização é necessário para que os pais passem a valorizar a educação, mas também precisamos de políticas públicas para fortalecer as escolas no meio rural, buscando alternativas para os jovens de até 18 anos. Assim como o problema, a solução é complexa, mas possível”, afirma Iro Schünke, presidente do SindiTabaco e também diretor-presidente do Instituto Crescer Legal.

É nesse cenário que o piloto do Programa de Aprendizagem Profissional Rural, primeira grande ação do Instituto, começou a cumprir os seus objetivos e firma desde já uma sólida base para o futuro. A região Sul do País é o foco neste início de trabalho e abrange, por enquanto, as cidades gaúchas de Candelária, Santa Cruz do Sul, Vale do Sol, Venâncio Aires e Vera Cruz. Adolescentes com idades compreendidas entre 14 e 18 anos são o público-alvo que compõe cinco turmas. Atualmente, os quase 100 jovens aprendizes rurais envolvidos participam das atividades do curso “Empreendedorismo em Agricultura Polivalente – Gestão Rural” no contraturno escolar e recebem salário proporcional a 20 horas semanais, além de certificação e demais direitos de acordo com a Lei de Aprendizagem, com atividades teóricas e práticas em gestão realizadas nas suas comunidades.


Jovens aprendizes e educadores participantes do projeto-piloto (Divulgação)

“Essa é a primeira vez que jovens do meio rural são contratados pela Lei da Aprendizagem sem sair do campo e da escola. Acreditamos que a gestão é o caminho para que o meio rural se desenvolva, mas precisamos de mais oportunidades para proporcionar formação adequada. Em apenas dois anos de existência podemos dizer que já estamos promovendo mudanças na vida desses jovens, oportunizando alternativas e possibilitando um novo olhar sobre o meio rural. Em 2017 teremos as primeiras formaturas do curso e o sucesso comprovado do Programa faz com que projetemos 2018 como um ano de consolidação, levando o curso para pelo menos cinco novas turmas”, avalia Schünke.

Segundo ele, ao investir no futuro dos jovens rurais, qualificando-os e desenvolvendo-os de acordo com suas aptidões e com as características locais, criam-se meios para que permaneçam, cresçam e tenham oportunidades de geração de renda no meio rural, passando a ser exemplo de gestão sustentável da pequena propriedade, essencial para milhares de famílias e também para a sociedade, considerando a importância da produção alimentar. “O conhecimento adquirido, aliado à vivência no meio rural, fará destes jovens líderes e referências em suas localidades”, afirma.

Com cinco educadores sociais e uma educadora líder, o projeto-piloto também envolve os familiares dos jovens, seja por meio de visitas pedagógicas programadas ou em seminários realizados nas localidades dos jovens aprendizes. Segundo a coordenadora do Instituto, Nádia Solf, estreitar a relação entre educadores, aprendizes e familiares potencializa os resultados. “O programa foi desenvolvido para caminhar de forma articulada com a família, a escola e a comunidade do aprendiz. Por isso a importância de estar com as famílias periodicamente, apresentando o andamento do projeto e conhecendo o jovem dentro do seu ambiente”, explica.

Acesse: Relatório Institucional 2016

DEPOIMENTOS DOS JOVENS APRENDIZES


Eu sou, com muito orgulho, filha de produtores rurais, e muito ouvia falar em trabalho infantil, que não poderia ter isso no meio em que a gente vive… só que nunca se oferecia algo para a gente fazer. E o Instituto nos ofereceu. Maira Carolina Petry, 17 anos, jovem aprendiz de Vera Cruz, premiada com a primeira colocação no Concurso Literário para Aprendizes 2016 – categoria Prosa, promovido pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio Grande do Sul e Fórum Gaúcho de Aprendizagem Profissional (FOGAP).


Quando foi comentado do curso, vi a oportunidade de buscar mais conhecimento. Mas, como era necessário ser estudante, recebi o incentivo dos meus pais, professores para que ingressasse no ensino médio e em paralelo fazer o curso para adquirir ideias inovadoras, possíveis de serem aplicados na nossa propriedade. Rafael Henrique da Fonseca, jovem aprendiz do Instituto Crescer Legal em Venâncio Aires, que retornou à sala de aula depois de dois anos para poder participar do Programa de Aprendizagem.


A oportunidade que o Instituto nos deu é mais que um curso: é um conhecimento que levaremos para vida toda, um espaço para compartilhar ideias, aprender a conviver em grupo, onde podemos conhecer outras realidades e reconhecer o valor que tem a pequena propriedade e a importância do meio rural. Edilaine Scherer, 18 anos, jovem aprendiz de Candelária.

Para os jovens do campo, um curso de profissionalização é muito importante, pois a falta de oportunidades ainda é muito grande no meio rural. Para mim o Instituto é muito importante, pois tive a oportunidade do meu primeiro emprego e de me profissionalizar em algo voltado ao meu viver. Jonatan Reimann, jovem aprendiz de Vale do Sol.


O que mais me motiva a participar do curso são as oportunidades que podem surgir. Vamos aprender novas maneiras de diversificar a produção rural. Cássio Roesch, 17 anos, jovem aprendiz de Santa Cruz do Sul.

DEPOIMENTOS DE PARCEIROS E ASSOCIADOS


Parabéns ao Instituto Crescer Legal por dar oportunidades de crescimento profissional e humano aos jovens do meio rural. A aprendizagem é composta por um tripé: o jovem, a empresa e a entidade formadora. Esse tripé está muito bem articulado. Joaquim Cardinal, superintendente Regional do Trabalho e Emprego do Rio Grande do Sul, durante o 1º Encontro Regional de Aprendizes Rurais.


Tenho certeza que vocês [aprendizes] serão grandes pessoas, como profissionais e multiplicadores. Prof. Carlos Tillmann, da Universidade Federal de Pelotas.


O que queremos é que os jovens se preparem da melhor forma para o trabalho e dizer que nossa esperança se renova todos os dias por meio da juventude, seja ela urbana ou rural. Dra. Ana Paula Motta Costa, associada fundadora e consultora do Instituto Crescer Legal.


Ao acreditar que questões culturais possam ser modificadas, o Instituto Crescer Legal cumpre seu principal objetivo: promover iniciativas que façam repensar o presente em garantia de um futuro melhor para crianças e adolescentes, sem o estigma do trabalho infantil no meio rural, tudo sempre com o envolvimento de toda a sociedade ligada ao meio rural. Dr. Veloir Dirceu Fürst, procurador do Trabalho aposentado pela PRT4ªR, ex-coordenador do Combate ao Trabalho Infantil no Rio Grande do Sul no período de 2007 a 2013. Membro fundador do Instituto Crescer Legal.


Além de ser um programa inédito, esta é uma grande oportunidade para os jovens assumirem um papel de protagonismo e ter uma preparação para a liderança que eles podem exercer, com a melhor compreensão dos recursos disponíveis no meio rural. Professor Nestor Raschen, sócio fundador e presidente do conselho consultivo do Instituto Crescer Legal.

SAIBA MAIS – O Instituto Crescer Legal foi fundado em 23 de abril de 2015. Já em 2016, implementou o Programa de Aprendizagem Profissional Rural. Atualmente, cinco turmas estão em andamento em Candelária, Vera Cruz, Venâncio Aires, Vale do Sol e Santa Cruz do Sul. O projeto-piloto do Programa de Aprendizagem Profissional Rural é pioneiro e segue os preceitos da Lei da Aprendizagem, oferecendo aos jovens salário proporcional a 20 horas semanais, além de certificação e demais direitos (Lei 10.097/2000 e Dec. 5598/2005). Os jovens são contratados pelas empresas associadas ao Instituto, mas as atividades são todas realizadas na escola parceira e na comunidade, durante o contraturno. O curso tem duração média de 11 meses, com 4 horas diárias de segunda a sexta-feira, totalizando 920 horas. A proposta da formação está voltada para o desenvolvimento de um empreendedor em agricultura polivalente, que planeja e administra unidade de produção. O público-alvo para o projeto-piloto é de adolescentes de 14 a 18 anos, cursando o Ensino Regular e oriundos de famílias de pequenos produtores rurais, em especial produtores de tabaco.
Curta a fanpage: www.facebook.com/institutocrescerlegal

Fotos: Divulgação (disponíveis em alta resolução)

Contato com a Imprensa:

MSLGROUP Andreoli
Camila Holgado – camila.holgado@mslgroup.com – (11) 3169-9322 / (11) 96477-2701
Eliana Stülp Kroth – eliana.stulp@mslgroup.com – (51) 3713-1777 / (51) 9708-5539
www.mslgroupandreoli.com.br